Viagem para lá Lime + Purple

Alguém disse que existia um anúncio que procurava um homem distinto. Um homem que congregasse os outros homens. Tudo isso com um ordenado sério, com contracto a tempo inteiro e perspectiva de reforma. Um chamamento para o futuro, em forma de mentor. Acelera mas não saí da estrada.

A descoser os lábios de uma ferida Lime + Purple

Tempo morto. Por usar. A espera por tudo aquilo que faz falta. A exactidão por preencher. Quantos dias mais? Quantas brasas por queimar a precisar de chama? Sempre a vontade e a sintonia no mesmo pranto. “E agora?”, dizes tu.

Limpo a seco Lime + Purple

Não é fácil ignificar a mole por onde explodem as ideias. Abrir o coração e mostrá-lo ao mundo. Não é só a vontade ou a falta dela. O lado para que se dorme, os devaneios que se seguem ao sonho da almofada. Os braços, as pernas. O gorro. Tudo conta, quando se fala de escrita. Quando se sente nas veias.

Sociedade protectora

Chegam de todo o lado do país, vêm em trânsito para outro lugar que não conhecem nem conseguem encontrar, por isso vêm em protesto. Querem mais. Gritam, vociferam e saltam. Andam à porrada. E eu, que por engano me cruzei com eles na mesma frase, levo com a autoridade em cima. Porque também lhes dou trabalho à vista. E daí até começar a correr foi um ápice.

Dois mil e quarenta e oito [com WKW]

Há um ponto no tempo que marca o destino. Um momento preciso. Segundo exacto em que o indivíduo, que até aí vivia o quotidiano reservado na sua lotaria, regressa ao passado. Retorna para remendar as malhas da sua história. Uma por uma até unir de novo o fio condutor que o traz de volta ao ponto de partida. Não há como evitá-lo. É um facto e está à espera de toda a humanidade. Lá mais à frente.

O esquimó que arde de frio humano

As equipas estão dentro do campo, onze para cada lado, como sempre, duas balizas, uns homens que supostamente deveriam estar vestidos de preto mas, pelo contrário, envergam um equipamento de cores garridas. O estádio está cheio. Joga-se o encontro mais importante do ano. Mais importante para uns do que para outros.

O urso maior Lime + Purple

Há sempre uma esperança. Em guarda. Não tão vã como isso. De uma plenitude sem retorno. Que nos espreita. Que nos vigia. Que nos alimenta o espírito. Como uma luz apagada.

Dia dois

Silvo no ar, sem distâncias. Aqui e ali. Chamo-me Tina. Mas há quem me chame apenas A. Estou aqui e quero contar o que se passa. Estejam quietos, por favor.

Exército de Kamikazes

A neve não pára de cair. As nuvens não deixam de passar. Há um céu azul por todo o lado. Ursos brancos a rodopiar. Um ambiente espiritual de último grau. Uma cena de fim de tarde numa terra santa. Não se sabe se é um telefonema ou uma forma de pensar, de ligar à consciência. Que quer dizer a água em flocos, alguém consegue explicar? Um chamamento divino? Ou será apenas a bateria a ficar fraca?

Por favor não chames o meu nome

Talvez isto seja apenas sobre os ventos Caleej e Solano. Os poderosos ventos da Terra. Que sopram. Que deitam abaixo. Todas as criaturas vivas. Todas as cidades. Todas as pilhas de lenha. E empoeiram a luz de escuro. Que nem o anoitecer pode contar.

Pin It on Pinterest