And there she was

She was giving me was just what was left of a memory. A souvenir. I had an accident long time before and I almost crashed on her. That’s how we’ve met. I was taking the train now. One way ticket, to the far-off country. I was getting unreachable. That’s where I was going.

O radical livre

A coisa não é para menos. Estamos nos primeiros dias do ano e os rubis estão à espera. É uma longa história. De aiaineses, criptões e uinãos. Não, não queiram ler. Não é sobre Hong Kong, se querem saber. Nem Las Vegas. E daqui não levam nenhum segredo. Ainda se põem para aí aos tirinhos. Mas fica o aviso: Russell não é para meninos!

Cascos de rolha

Não contar a ninguém. Não falar. Sobre a faixa invertida. Esquecer. Perder a lembrança. Apenas o marco abstracto, aqui. E a lonjura. Como um ponto perdido. Para voltar a um qualquer início. Não, voltar não. Ir. Por um breve instante. Ao primeiro degrau. E voar.

O número errado

(Português) Um carro a passar, uns travões quaisquer, o grito de um pássaro ou de um animal parecido. Um urso, por exemplo. E o fio da chamada a ficar solto, desta vez sem o silvo habitual. “Estou?”, repeti eu, espaçadamente, várias vezes.

Satanic Salmons II

After so many time trapped in a book, a full hand of loners from the Bible comes along to this room, where their master is stepping out of life. They all have their own character. The nervous Cain, always drilling with nervous contradiction. Paul with a fake ID after a long journey in the desert. Judas the one closer. Moses with his special unique and untold paranoia…

Exército de Kamikazes

(Português) A neve não pára de cair. As nuvens não deixam de passar. Há um céu azul por todo o lado. Ursos brancos a rodopiar. Um ambiente espiritual de último grau. Uma cena de fim de tarde numa terra santa. Não se sabe se é um telefonema ou uma forma de pensar, de ligar à consciência. Que quer dizer a água em flocos, alguém consegue explicar? Um chamamento divino? Ou será apenas a bateria a ficar fraca?

Veneno de rato

(Português) A primeira vez foi na cozinha, a abrir o frigorífico. O reluzente da luz fria por trás das coisas que se compram e que um dia esperamos comer. Uma coisa vaga que veio a tremelicar num só instante, nem deu tempo para respirar. Tu sem tirar os olhos do televisor, claro. Ainda senti um zumbido, um reluzir luminoso, os vegetais a mudarem de tom, e num pequeno “ai”… fui-me. Depois veio outro. Com o Everest, o Moisés, o meu chefe cheio de fruta e um mês nas Molucas, por cima do teu cabelo.

Ode a tudo

I always remember you. Not only the tourniquets, pipettes or finger-stingers. But the whole. The overwhelming presence that protected us as an aura. It was ever there, even if from afar. I wrote you in a newspaper, while in the kitchen I cooked you a delicacy of your paradise. From a trip to the East.

Mulheres tããão violentas

Do you still want the bed? It’s on its way. I made it myself. Wait, I have a new surprise. I’m just waiting for a chance to tell you. Do you let me speak? Or is it not necessary? I can do everything in gestures. It’s funnier. And scream too. Speechless. May I? God, it’s all so breathless!

Virgem e suicida

At the check-in counter they said this would be a very good seat for me. They were totally right. It was like they knew me all along. Mister Joid, they said. It’s true I’m surrounded by women. Some stunners. Some better than that.