Cascos de rolha

Não contar a ninguém. Não falar. Sobre a faixa invertida. Esquecer. Perder a lembrança. Apenas o marco abstracto, aqui. E a lonjura. Como um ponto perdido. Para voltar a um qualquer início. Não, voltar não. Ir. Por um breve instante. Ao primeiro degrau. E voar.

Eufuribundo

(Português) Lá ao fundo, a trezentos metros, um trânsito intenso a aguardar no semáforo. Autocarros de dois andares e de três. E em quatro segundos a avançarem para o precipício do vulto que tinha deixado no meio da avenida. Que não via nem olhava. Porque não tinha por onde ver nem olhar. E por isso não era visto. Mas mirava de soslaio na minha direcção. A troçar de mim.

Por favor não chames o meu nome

I don’t know, maybe this is only about the Khaleej and Solano winds. Two of the most powerful winds on Earth. They blow. They tear down. Every living creature. Every city. Every pile of wood. Dusting the lamp with dark that even dusk can’t trail to tell.