O esquimó que arde de frio humano

As equipas estão dentro do campo, onze para cada lado, como sempre, duas balizas, uns homens que supostamente deveriam estar vestidos de preto mas, pelo contrário, envergam um equipamento de cores garridas. O estádio está cheio. Joga-se o encontro mais importante do ano. Mais importante para uns do que para outros.

Delírios do campo

De uma maneira ou de outra caímos dentro de uma história de amor. Não há como fugir. Um pedaço de dor, de felicidade, a razão toda de um ser. Que vai e que vem. Histórias grandes, pequenas, extensas, iguais. Noites em claro, andorinhas. Coisas quaisquer, corridas ao volante, para acalmar o sentir. E esperar por tudo aquilo que há-de vir. Que não vem.