Aqui só há uma lenda e não tem legendas

Luís Amorim morreu aos 17 anos. Vitor Silva anos antes, também jovem, em pleno dia. Também foi, igualmente sem justiça. Ambos eram portugueses. Mas não importa a nacionalidade, o que importa é que ninguém, ou quase ninguém, fez nada para tentar apurar a verdade, que por vezes vive muito distante da realidade.

O crime organizado

A luz chegava negra e trémula ao planalto, Cheia de indolência, a roçar a casca da minha árvore. Finalmente completo. Finalmente vazio. O Buda no sorriso dos Himalaias. A ser reconhecido. A povoar a imaginação com o aulido dos coiotes, na esperança da infinita sabedoria. Câmaras por todo o lado. Interrogatórios. Um Ulisses. Ali. Perdido da sociedade civil. Enquanto deixava de ser gente.