O Fadista

Talvez aconteça com todos. O desespero também é capaz de ajudar. Não estamos realmente prontos para a mudança. É como ter um filho, só damos conta disso quando chegamos lá. Quando a nova vida existe e o mundo se abre para um novo patamar, sem retorno. Mesmo que nos contem não sabemos como é. Sim, podemos imaginar, mas não é a mesma coisa. E a partir daí, é sempre para a frente. Sem medo.

Das coisas que me esqueço

Por uma vez, queria entrar. Queria que o flagelo da noite deixasse de crepitar e me levitasse com ele. Entro pela janela. Olho em redor. As coisas pequenas ficaram. As grandiosas desapareceram.

Viagem para lá Lime + Purple

Alguém disse que existia um anúncio que procurava um homem distinto. Um homem que congregasse os outros homens. Tudo isso com um ordenado sério, com contracto a tempo inteiro e perspectiva de reforma. Um chamamento para o futuro, em forma de mentor. Acelera mas não saí da estrada.

Cheira a Nirvana

História inspirada no oceanário psíquico de David Bowie. No seu meio-irmão esquizofrénico, Terry Burns, e principalmente na canção The Bewlay Brothers, figura ilusória no espírito do cantor inglês, árdua de decifrar, mas que se pode colar aos antagonismos do irmão e à sua relação mútua. Aos tropeções, encontram-se alguns “cães de diamante”. Não mordam.

Romance histórico [versão original]

Esta é uma história perdida, que foi ficando na gaveta e que moveu outras vontades. Os nomes já foram outros. Mas os nomes não têm importância afinal, por pertencerem a gente desconhecida e ficcional. Agora tudo se levante e chega no formato original, assim como foi escrito, sem mais despistes.

A descoser os lábios de uma ferida Lime + Purple

Tempo morto. Por usar. A espera por tudo aquilo que faz falta. A exactidão por preencher. Quantos dias mais? Quantas brasas por queimar a precisar de chama? Sempre a vontade e a sintonia no mesmo pranto. “E agora?”, dizes tu.

Aversão anterior

O conhecimento bebe-se do vazio. O vazio transborda. Aniquila-se de avalanches. Dois por dois. Três por três. Quatro por quatro. Coisa assim. Negra. Mas há o primeiro. Nunca esquecer o primeiro. O ímpar que, sem cópia, não tem par. Horizontes de conhecimento e Convencimómetros™, é do que isto fala. A sério, não me peçam mais nada.

Limpo a seco Lime + Purple

Não é fácil ignificar a mole por onde explodem as ideias. Abrir o coração e mostrá-lo ao mundo. Não é só a vontade ou a falta dela. O lado para que se dorme, os devaneios que se seguem ao sonho da almofada. Os braços, as pernas. O gorro. Tudo conta, quando se fala de escrita. Quando se sente nas veias.

Língua portuguesa [versão estendida]

De Lourmarin a Paris são 700 quilómetros e Albert Camus já comprou um bilhete de comboio de Avignon para a capital. Mas o seu editor insiste para que vá com ele na sua coqueluche fabricada em França com um motor americano V8 de 360 cavalos. Com o escritor, a mulher e a filha do célebre Gallimard. Pelo caminho várias paragens em restaurantes com estrelas Michelin. Mas esta não é a história. O que aqui se trata é de um choque frontal, entre duas línguas.

Declaração Escritos medievais, digestões e pertença

Sou maior de idade e faço declarações. É certo que nasci a trinta e cinco de Abril, em parte incerta, e tenho um estado civil duvidoso, mas já tenho condição para dizer o que penso. Profissão? Alguma, ando de um lado para o outro, faço o que me pedem e às vezes o que não me pedem. Tenho carta de condução e livre e espontânea vontade. Mais alguma coisa?